Sistema de Conferências da SBPJor, 15º Encontro da SBPJor

Tamanho da fonte: 
O direito à representação: banalidade do mal e o jornalismo
Rodrigo César Castro Lima

Última alteração: 2017-10-13

Resumo


Poucas são as esferas de representação humana que possuem a capacidade de sacralizar o banal e de banalizar o histórico; de acobertar e esquecer o essencial. Óbvio que se fala aqui do papel do jornalismo moderno. Estes pequenos indícios talvez nos revelem grandes constatações. Se há uma banalização na história do jornalismo, sobretudo nos últimos anos, esta será a banalização do mal. Por conta disso, vive-se uma crise de representação jornalística na qual muitos indivíduos se veem privados de um dos mais íntimos direitos sociais: a representação. Outro caminho para esta constatação será uma análise semiótica do fato de que a notícia requer, muito constantemente, a vestimenta do caráter de uma suposta novidade. Quando a novidade se esgota, há uma objetificação do indivíduo; perde-se a capacidade de sensibilização. Em seguida, negligenciam-se pautas essenciais aos direitos humanos.

Texto completo: PDF